“Choosing Wisely” – 5 estratégias de esquemas de antibióticos para evitar em crianças

7 de abril de 2019

“Choosing Wisely” – 5 estratégias de esquemas de antibióticos para evitar em crianças

A Academia Americana de Pediatria oferece cinco estratégias antibióticas que os médicos devem questionar ou evitar em pacientes pediátricos, como parte da campanha “Choosing Wisely”. Entre eles:

* Para pacientes com suspeita de infecção bacteriana, os clínicos geralmente não devem iniciar os antibióticos até que tenham obtido sangue, urina ou outras culturas.

* Os antimicrobianos de amplo espectro não devem ser usados ​​para a profilaxia perioperatória em procedimentos limpos e potencialmente contaminados porque apresentam riscos que não superam os benefícios. Antibióticos de espectro estreito estão indicados. Além disso, a profilaxia perioperatória não deve continuar após a incisão ser fechada.

* A antibioticoterapia mais ampla que a ampicilina deve ser evitada em pacientes hospitalizados, imunizados e sadios, com pneumonia adquirida na comunidade e não complicada.

* O uso empírico de vancomicina ou carbapenem deve ser evitado em pacientes de cuidados intensivos neonatais, a menos que a criança tenha um risco conhecido para organismos resistentes.

* Cateteres centrais inseridos de forma periférica ou antibioticoterapia endovenosa prolongada não devem ser usados ​​em crianças saudáveis ​​com infecções se tratada/modificada para o uso de antimicrobiano oral.

 

REFERENCIAS:

American Academy of Pediatrics – Committee on Infectious Diseases and the Pediatric Infectious Diseases Society