Precisamos usar Macrolídeos para tratar pneumonia em crianças!? Mais um estudo grande e prospectivo sugere que não!

16 de novembro de 2017

Precisamos usar Macrolídeos para tratar pneumonia em crianças!? Mais um estudo grande e prospectivo sugere que não!

 

O tratamento de  crianças admitidas com pneumonia adquirida na comunidade é iniciado empiricamente: beta-lactâmicos são recomendados para cobrir patógenos bacterianos comuns, especificamente Streptococcus pneumoniae. Muito comumente pediatras prescrevem macrolídeos, principalmente a claritromicina, em associação ou isoladamente para o tratamento de pneumonia, mas estudos colocam em cheque se a adição de um macrolídeo a um antibiótico beta-lactâmico para pneumonia adquirida na comunidade (PAC) oferece alguma vantagem. A justificativa para associação de macrolídeo seria a ausência de atividade de beta-lactamicos contra bactérias atípicas, como Mycoplasma pneumoniae e Chlamydophila pneumoniae.

 

O estudo Antibiotic Treatment for Pneumonia in Children: Is a Macrolide Necessary? comparou a eficácia da monoterapia com beta-lactamico x associação beta-lactamico + macrolídeo prospectivamente em mais de 1400 crianças internadas com pneumonia (radiograficamente confirmada), combinando dados de 3 hospitais americanos. No estudo, aproximadamente 70% receberam monoterapia, enquanto 30% receberam a associação. Em 74% dos casos, um vírus foi identificado durante a avaliação; em 5%, encontrou-se agentes tanto virais como bacterianos; e em 9%, uma bactéria atípica foi detectada (95% destes foram M. pneumoniae). Foi realizada análise multivariada e não observou-se diferença quanto a o tempo de permanência, admissão à unidade de terapia intensiva  ou a readmissão hospitalar  entre os grupos (monoterapia x combinada). Mesmo na avaliação da subcoortes com maior probabilidade de se beneficiar da cobertura de macrolideos (idade ≥5 anos, bactéria atípica detectada, admissão em UTI e sibilância aguda), o benefício esperado NÃO foi observado.

 

Esses resultados aumentam a crescente evidência que os benefícios dos antibióticos macrólideos, mesmo em pneumonia atípica comprovada, são limitados. Além disso, quase três quartos das crianças no estudo tiveram um agente patógeno viral identificado. Seja em monoterapia ou terapia combinada, há “hiper-prescrição” de antibióticos para o tratamento de crianças com pneumonia.

 

Fonte: Antibiotic Treatment for Pneumonia in Children: Is a Macrolide Necessary? Deborah Lehman, MD reviewing Williams DJ et al. JAMA Pediatr 2017 Oct 30.