Síndrome de Gilbert

31 de agosto de 2021

Síndrome de Gilbert

– É um distúrbio genético do fígado, benigno, caracterizado por hiperbilirrubinemia indireta  ou não conjugada, que pode ser completamente assintomático ou causar icterícia. Ocorre por mutação no braço longo do cromossomo 2 (2q37) – no gene da UDP-glucoroniltransferase (UGT1A1). Consequentemente, há defeito na  captação hepática de bilirrubina, e atividade da glicuronil transferase é reduzida, mas não de forma crítica (como seria o caso da Síndrome de Crigler Najjar).

– Estima-se uma prevalência entre 5% e 7% da população geral. É descrito predomínio no sexo masculino. Geralmente se manifesta durante a adolescência ou idade adulta. Vale notar que não causa doença ou inflamação hepática – portanto, a Síndrome de Gilbert não deve cursar com elevação de enzimas hepáticas. Mais comumente é diagnosticada em adolescentes e adultos jovens de forma incidental, a partir da deteccção de hiperbilirrubinemia  indireta ou não conjugada discreta, geralmente com níveis entre 2 e 5 mg/dL. Os níveis de bilirrubina tendem a aumentar com diferentes tipos de stress, como jejum prolongado, exercício extenuante, período menstrual, doenças.

– Em geral o aumento de bilirrubina indireta não ultrapassa 5mg/dl. Outros exames devem ser soliciatados ao diagnóstico, como hemograma completo,  testes de função hepática, e provas de hemólise, para descartar doenças do fígado e hemólise. O diagnóstico definitivo o teste genético para confirmar a presença de  mutação responsável pela doença.

– O padrão de herança é variável conforme o tipo de mutação, podendo ser autossomica recessiva ou autossimica dominante.

– Trata-se de uma condição considerada completamente benigna, para não está indicado qualquer tipo de tratamento específico. De forma geral, a única preocupação nessa síndrome é que pode haver alteração do metabolismo de algumas drogas – mas são poucas e com indicações muitos específicas: é descrito que o uso de o atazanavir, indinavir e o irinotecano nestes pacientes pode levar a hiperbilurribinemia grave.  O prognóstico da síndrome de Gilbert é considerado excelente, uma vez que esses pacientes tem expectativa de vida normal. É descrito um risco pouco aumentado de colelitíase.  Acredita-se que a síndrome possa ser protetora para algumas condições como protetora contra doença arterial coronariana, linfoma de Hodgking e outras neoplasias. Há flutuação dos níveis de bilirrubina e os episódios de icterícia clinicamente regridem espontaneamente. Até um quarto dos pacientes apresentam níveis transitoriamente normais de bilirrubina.

 

Referências:

  • https://www.sbp.com.br/especiais/pediatria-para-familias/doencas/sindrome-de-gilbert/
  • https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/dist%C3%BArbios-hep%C3%A1ticos-e-biliares/abordagem-ao-paciente-com-doen%C3%A7a-hep%C3%A1tica/dist%C3%BArbios-metab%C3%B3licos-inatos-que-causam-hiperbilirrubinemia
  • https://tudosobrefigado.com.br/wp-content/uploads/2018/11/cartilha_Sindrome_Gilbert.pdf
  • https://www.sanarmed.com/sindrome-de-gilbert-colunistas

 


“DISCLAIMER”/ aviso legal: o objetivo dessa página é compartilhar conhecimento médico, visando um público alvo de médicos, pediatras, gastroenterologistas pediátricos, estudantes de medicina. Os conteúdos refletem o conhecimento do tempo da publicação e estão sujeitos a interpretação da autora em temas que permanecem controversos.
A linguagem é composta de jargões médicos, uma vez que não visa o público de pacientes ou pais de pacientes. O conteúdo dessa página não pode nem deve substituir uma consulta médica.
As indicações e posologia de medicamentos podem mudar com o tempo, assim como algumas apresentações ou drogas podem ser retiradas do mercado.
Em caso de dúvida relacionada ao conteúdo ou se algum dado incorreto foi identificado, entre em contato!