Associação de hábitos do sono e obesidade em crianças

6 de março de 2020

Associação de hábitos do sono e obesidade em crianças

  • Hábitos de sono anormais estão associados à obesidade infantil em alguns estudos, muitos dos quais pecam por falta de medidas objetivas do sono.
  • Em um estudo longitudinal, crianças em idade pré-escolar que costumavam ir para a cama após as 21h tiveram maiores aumentos de IMC à medida que envelheciam. Esses pesquisadores examinaram repetidas medidas objetivas do sono e sua associação com a obesidade em crianças suecas entre 2 e 6 anos. Os participantes também foram agrupados por seu risco de obesidade (alto, n = 64; baixo, n = 43), com base no excesso de peso dos pais e no status de obesidade.
  • Anualmente, os padrões de sono das crianças foram avaliados com um dispositivo de actigrafia usado no pulso e medidas antropométricas para o cálculo do índice de massa corporal (IMC) e da circunferência da cintura.
  • As medidas de sono incluíram início do sono (horario), latência (tempo necessário para adormecer), eficiência (porcentagem de tempo adormecido na cama) e duração total.
  • No início do estudo, não houve diferenças entre os grupos nos padrões de sono, IMC ou circunferência da cintura. Em ambos os grupos de risco, quando atingiram as idade de 2 a 6 anos,  o início do sono ficou progressivamente mais tarde, com menor duração total do sono e melhora na eficiência do sono, como esperado.
  • Maior frequência de curta duração do sono e  sono habitual tardio (início médio do sono após 21h) foram associados a maiores aumentos no IMC e na circunferência da cintura – sendo realizada para essa analise controle da idade, sexo e outros fatores de confusão. Entretando a curta duração do sono não se manteve estatisticamente significativo após o ajuste para testes de analise multivariada. A associação positiva para o sono tardio habitual foi mais pronunciada em crianças com alto risco de obesidade.
  • Hábitos saudáveis ​​de sono beneficiam a saúde das crianças em geral, o horario do sono parece ser um importante fator de risco modificável ​​para a obesidade infantil.

 

 

REFERENCIAS:

– Louis M. Bell, MD reviewing Xiu L et al. Pediatrics 2020 Feb 18 Glaser N and Styne D. Pediatrics 2020 Feb 18

– NEJM JW Pediatr Adolesc Med Jul 2016 and J Clin Sleep Med 2016; 12:785

– https://www.aap.org/en-us/about-the-aap/aap-press-room/Pages/American-Academy-of-Pediatrics-Supports-Childhood-Sleep-Guidelines.aspx

 

————————————————————————————————————————————
“DISCLAIMER”/ aviso legal: o objetivo dessa página é compartilhar conhecimento médico, visando um público alvo de médicos, pediatras, gastroenterologistas pediátricos, estudantes de medicina. Os conteúdos refletem o conhecimento do tempo da publicação e estão sujeitos a interpretação da autora em temas que permanecem controversos.
A linguagem é composta de linguagem/jargões médicos, uma vez que não visa o público de pacientes ou pais de pacientes. O conteúdo dessa página não pode  substituir uma consulta médica.
As indicações e posologia de medicamentos podem mudar com o tempo, assim como algumas apresentações ou drogas podem ser retiradas do mercado.
Em caso de dúvida relacionada ao conteúdo ou se algum dado incorreto foi identificado, entre em contato!