Uso de formula lacteas para crianças de 1 a 3 anos – recomendações do “ESPGHAN Committee on Nutrition”

20 de abril de 2019

Uso de formula para crianças de 1 a 3 anos– recomendações do “ESPGHAN Committee on Nutrition”

 

“Toddler’s milk” , formulas de crescimento (“+1”) são sinônimos usados para se referir a formulas lácteas ou vegetais protéicas destinadas a satisfazer os requerimentos nutricionais de crianças de 1 a 3 anos/ pré-escolares jovens. A Autoridade de Segurança alimentar Européia e a ESPGHAN recomendam a nomenclatura “young child formula” (YCF), usando ‘formula’ ao inves de ‘leite’ porque nem sempre a composição é láctea, e não ‘de crescimento’ porque isso implicaria num impacto especifico sobre o crescimento infantil, que não esta comprovado.

 

Presença dessas formulas no mercado

  • Formulas para pré-escolares jovens estão presentes na Europa por mais de 2 décadas, e seu uso é crescente. Entretanto, a informação da composição desses produtos é fornecida pelos fabricantes, com pouca evidencia cientifica da sua necessidade ou de seus efeitos.
  • Além disso, não há nenhuma definição legal internacional ou critérios de composição para esses produtos e sua disponibilidade e regulação diferem mesmo entre os países europeus.
  • Levantamento em 2013, observou centenas dessas formulas presentes no mercado da UE, com o maior número na França (34), Espanha (32) e Itália (24), e o menor nos países escandinavos – Suécia (2) e Dinamarca (0).

 

Composição das formulas e aspectos nutricionais

  • Alguns aspectos da nutrição de pré-escolares jovens devem ser considerados:

–  Consumo excessivo de alimentos com alta densidade calorica e aumento das taxas de obesidade.

–  Geralmente há uma ingestão menor do que a recomendada de acidos graxos de cadeia longa (especificamente Omega 3), ferro e vitamina D.

  • Portanto, seria interessante determinar se o consumo de formulas para pré-escolares jovens poderia corrigir alguns desses déficits.
  • Em relação à ingestão de energia, as fórmulas atualmente disponíveis têm conteúdo energético de 50 a 81 kcal / 100 mL (mediana 67 kcal / 100 mL).

 

Teor protéico nas formulas de 1-3 anos

  • Há evidências de que o consumo excessivo de proteína durante a infância aumenta o posterior risco de obesidade.
  • O teor protéico de formulas de 1 a 3 anos deveria ser reduzida à quantidade de fórmula infantil semelhante ao leite materno.
  • Relatórios anteriores afirmavam que essa composição deveria ser de um mínimo de 1,6 g de proteína animal/ 100 kcal.
  • A quantidade de proteína nas formulas disponíveis no mercado varia significativamente, com mediana é 2,6 g / 100 kcal.
  • Apesar de não ideal, trata-se de teor proteico mais baixo do que o leite de vaca (4,8 g / 100 kcal).

 

Teor protéico – formulas de seguimento vs. de 1-3 anos

  • é preocupante que mesmo a mediana de teor proteico (2,6 g / 100 kcal) é maior do que o nível superior recomendado para a fórmulas de seguimento (2,5 g / 100 kcal).
  • O Comitê de nutrição da ESPGHAN sugere a necessidade de reduzir o teor de proteína das formulas para pré-escolares jovens para o limite inferior permitido na fórmula de seguimento (1,6 g / 100 kcal para produtos à base de proteína animal intacta).

 

Conteúdo de carboidrato

  • Em geral, a quantidade de carboidratos é semelhante à da fórmula de seguimento, e maior do que no leite de vaca.
  • Em algumas formulas, a quantidade de sacarose adicionada que é alta muito alta (até 10,4 g / 100 kcal), podendo causar aumento da glicemia e resposta de insulina significativamente mais do que o leite de vaca.
  • De preferência, nenhum açúcar livre deve ser adicionado a produtos para crianças de até 2 anos de idade e sua quantidade deve ser limitada a <5% da ingestão total de energia em crianças maiores de 2 anos

 

Micronutrientes

  • Particularmente ácido alfa-linolênico (Ômega 3), vitamina D e ferro estão muito pouco presentes no leite de vaca não suplementado.
  • O conteúdo mediano do ácido alfa-linolênico nas formulas de 1-3 anos é de 103 mg / 100 kcal, dentro faixa recomendada para a fórmula de seguimento. Entretanto, ate 4% das formulastêm baixos níveis de omega 3.
  • De forma semelhante, o conteúdo mediano de ferro e vitamina D desse grupo de formulas está dentro do intervalo recomendado para a fórmula de seguimento. No mercado europeu, nenhuma das fomulas tem níveis de ferro abaixo do inferior recomendado, e apenas 1,3% têm um teor de vitamina D abaixo deste nível.
  • Em contraste, o leite de vaca não suplementado é uma fonte pobre de ferro e vitamina D.

 

Uso de formulas de seguimento (>6 meses) para criancas maiores de 1 ano

  • Com base nos dados atualmente disponíveis, e usando como referencia a composição do leite materno, não existem evidencias que suportem uma composição significativamente diferente de formulas para crianças maiores de 1 ano, em comparação com as fórmulas de seguimento, utilizadas em lactentes > 6 meses.
  • Assim, Autoridade de Segurança alimentar Européia (EFSA) e a ESPGHAN sugerem que as fórmulas consumidas durante o primeiro ano de vida também podem ser usadas pré-escolares jovens.
  • O Painel da EFSA decidiu não propor critérios composicionais específicos para fórmulas consumidas após 1 ano de idade.
  • Após revisão de literatura, a ESPGHAN não encontrou qualquer razão para que as fórmulas de seguimento não pudessem ser usadas além de 1 ano, embora o conteúdo de proteína deva ser para o nível inferior permitido nas fórmulas de seguimento.
  • Se as formulas para maiores de 1 ano forem consideradas como um substituto do leite de vaca, uma composição mais simples pode ser proposta; com foco em nutrientes especificados, como ferro, vitamina D e PUFA n-3. Essa abordagem presumivelmente teria a vantagem teórica de reduzir os custos de produção das formulas.
  • Além disso, a regulação é necessária não apenas para propor quais nutrientes devem ser adicionados, mas também para prevenir e limitar a adição de componentes indesejáveis ​​(como açúcares livres e aromatizantes).

 

Conclusões e Recomendações

  • A amamentação continua a ser recomendada como parte de uma dieta saudável após o primeiro ano de vida
  • Com base nas evidências disponíveis, não há necessidade para o uso rotineiro de formulas lácteas para maiores de 1 ano em crianças de 1 a 3 anos de vida, mas formulas de seguimento (para maiores de 6 meses) podem ser usadas como parte de uma estratégia para aumentar a ingestão de PUFAs de ferro, vitamina D e omega 3, e diminuir a ingestão de proteína em comparação com o leite de vaca.
  • Outras estratégias para otimizar a ingestão nutricional incluem a promoção de uma dieta variada e saudável, o uso de alimentos fortificados e o uso de suplementos.
  • Há necessidade de regulamentação dessas formulas no mercado para evitar composição inadequada.

 

REFERENCIA:

https://journals.lww.com/jpgn/fulltext/2018/01000/Young_Child_Formula___A_Position_Paper_by_the.34.aspx